Tuesday, October 04, 2011
1 ano sem Gustavo

Ontem (03/10/11) fez uma ano que perdi pela primeira vez alguém importante na minha vida. Meu amigão e instrutor de patinação artística Gustavo. Nos conhecemos numa pista de gelo (e onde mais?) em 2004 e desde então nos tornamos inseparáveis, patinávamos juntos onde quer que fosse, eu, ele e um outro amigo de infância, Felipe.

Em novembro de 2010 a mãe do Gustavo ligou avisando que ele havia falecido no mês anterior. Ela não teve coragem de me ligar antes, sequer de avisar que ele estava doente e internado. Vítima da dengue e de uma bactéria mortal na época famosa e que matou várias pessoas em hospitais. A mãe dele disse que achava que mesmo só com a dengue ele não sovrviveria, estava muito fraco. Eu nem sabia que ele estava doente, estava morando em outro estado e nosso contato diminuiu, não pude fazer-lhe uma última visita, falar o quanto eu o amava e o quanto ele era importante pra mim.

Agora só me restam fotos, lembranças incríveis de tardes culturais e patinação que fazíamos e um chaveiro de patins de plástico que ele me deu e disse que seria meu chaveiro da sorte.Tenho sonhado bastante com ele... espero que continue assim. Tem uma pista de gelo perto da minha casa, mas fui lá olhar e não tive coragem de entrar. O gelo nunca mais será o mesmo. Até a próxima, amigo!

 

 


Posted at 05:48 pm by PinkySammet
Comment (1)  

The ice cream of unending sadness


Posted at 05:23 pm by PinkySammet
Make a comment  

How things are.

Eu vou ficar bem. E se não ficar, não tem problema. Eu finjo.

Posted at 11:50 am by PinkySammet
Make a comment  

Monday, October 03, 2011
Mais uma vez...

Estou enlouquecendo outra vez. Bom, na verdade eu nunca dexei de ser assim, tudo apenas ficou mascarado. Agora eu entendo o que um colega meu disse um vez sobre como remédios psiquiátricos te deixam como um robô. É verdade. Parece que eu fui reprogramada, programada para ser feliz, para agir desse jeito amistoso e sociável, para me dar bem com a sociedade. Funcionou durante quase um ano. Mas não mais. A criatura furiosa e monstruosa que habita meu cérebro quer sair. Quero ser eu mesma. Não, eu não quero. Eu não posso! Voltar a ser como antes significa perder coisas importantes que consegui vivendo essa farsa que chamam de "vida". Eu não posso desistir agora. Preciso de drogas, mais drogas. Aumentos e mais aumentos de doses. Um que me faça dormir, um que me deixe acordada, um que me faça sonhar, um que me faça viver, um que me faça amar. Mas o que é que eu estou falando?! Já não sei mais . Só sei que não consigo mais fingir.

Posted at 11:10 pm by PinkySammet
Make a comment  

bedtime


Posted at 11:03 pm by PinkySammet
Comment (1)  

Saturday, October 30, 2010
Gave Up - Nine Inch Nails

Pequeno sonho perfeito do tipo que mais machuca, esqueci como me sentir, bem
Ninguém pra culpar, sempre igual. Abro meus olhos, acordo pegando fogo 
 
Coberto de esperança e vaselina, ainda não consigo consertar essa máquina quebrada.
Vendo o buraco que costumava ser meu, assistindo minha decadência sistemática estável queimar
Depois de tudo que fiz, me odeio pelo que me tornei
 
Da confiança que abandonarei
Dando para mim o que desperdicei
Depois de tudo que fiz odeio a mim mesmo pelo que me tornei

Destruindo minha sanidade, destruindo minha integridade,
Destruindo o que eu acreditava, destruindo o que sobrou de mim.
Destruindo tudo que é meu, destruindo tudo que era real,
Irei me destruir em pedaços, eu não sei mais o que fazer!
 
Eu tentei.
Eu desisti.
Joguei fora.
 

Posted at 10:37 pm by PinkySammet
Make a comment  

Friday, October 29, 2010
Frase do dia

 

"Gere confusão. Espalhe o caos. Assista o mundo queimar."

 


Posted at 09:25 pm by PinkySammet
Make a comment  

Thursday, October 28, 2010
Suicídio... de novo.

SUICÍDIO

 

DEFINIÇÃO
  

     "Ato consciente de aniquilação auto-induzida, melhor entendido como uma enfermidade multidimensional em um indivíduo carente que define uma questão para a qual o ato é percebido como a melhor solução" ou simplesmente, a morte intensional auto-infringida.   De forma alguma o suicídio é um ato aleatório ou sem finalidade, mas representa a saída para um problema que está causando um intenso sofrimento.

     Associados ao sofrimento encontramos necessidades frustradas ou não satisfeitas, sentimentos de desesperança, desamparo e impotência, um estresse insuportável, um estreitamento nas opções percebidas pelo paciente e um desejo de fuga.

     O cenário ideal para o suicídio é composto de três fatores predisponentes e um gatilho que desencadeia a ação.   Este gatilho é a idéia de que dor da situação atual cessa terminando com a própria vida.   Os fatores predisponentes envolvem o ódio de si mesmo, devido à culpa ou baixa auto-estima; um estado de agitação, no qual o paciente está tenso e não consegue pensar com clareza; e a limitação das forças intelectuais, ou percepção estreitada, de tal forma que o indivíduo não consegue pensar mais além da situação imediata.

     A maneira de tentar reverter este quadro envolve reduzir a dor psicológica modificando o ambiente estressante; construir um apoio realista, reconhecendo que o paciente pode ter uma queixa legítima; e oferecer alternativas para o suicídio.

 

SUICÍDIO  X  SAÚDE MENTAL
 

     Entre os pacientes que cometem suicídio, quase 95% tem uma doença mental diagnosticada, 80% tem um transtorno de humor, 25% são dependentes de álcool, 15% dos pacientes que tem um destes transtornos morrem por suicídio.   Apesar de ser uma doença menos comum, a esquizofrenia responde por 10% dos suicídios.   Pacientes com depressão delirante são quem apresentam o mais alto risco para suicídio.

     O risco de suicídio entre pacientes psiquiátricos é de 3 a 12 vezes maior que no restante da população.   A idade do suicídio varia em torno dos 30 anos, o que parcialmente deve-se ao início precoce da esquizofrenia e transtorno de humor.

     Durante a primeira semana de internação o risco é alto, normalizando entre a terceira e quinta semana.

     O período após a alta é especialmente perigoso.   O paciente psicótico tende a destruir a rede de apoio social, e no retorno à comunidade, está fracamente integrada à sociedade.   O isolamento social, alguma nova adversidade ou à volta de problemas anteriores pode torná-lo desencorajado, impotente e desesperançado, estado de humor ideal para colocar o suicídio em prática.

     Após o terceiro mês a taxa de suicídio volta a se igualar com a população geral.

 

AVALIAÇÃO
 

     A atitude e os preconceitos morais de quem avalia um paciente suicida podem influenciar na decisão do paciente.   Reagir ao paciente de um modo moralista, crítico, ter reações fortes e negativas sobre a idéia de alguém tirar sua própria vida aumenta o risco na mesma proporção das reações negativas.

     O avaliador deve ter em mente que o estado suicida é freqüentemente passageiro, resulta de uma doença que tem causas tanto orgânicas quanto psicológicas, e que se o suicídio puder ser evitado, a doença subjacente será tratada e futuros estados suicidas serão evitados.

 

ETiOLOGIA
 

     A etiologia do suicídio envolve fatores sociais, como aqueles que ocorrem após a dissolução de um vínculo (suicídio anômico); aqueles cometidos em benefício de outros para aliviar a carga de alguém que tem de cuidá-los, um modo de recuperar a honra (suicídio altruísta); e o sentimento de não estar integrado no convívio, não ter lugar na sociedade (suicídio egoísta).

     Fatores biológicos estão claramente definidos.  Pacientes deprimidos com níveis baixos de ácido 5-hidroxindelacético (derivado da Serotonina) tem risco aumentado para suicídio.   Altos níveis de 17 hidrocortiscoteróides urinário também elevam o risco para suicídio.

     Entre os fatores psicológicos, pessoa com impulsividade acentuada, dependência de terceiros para manutenção de auto-estima, principalmente os dependentes insatisfeitos e ter expectativas irrealistas, os chamados "perfeccionistas" também ficam com um risco aumentado para suicídio.

 

EPIDEMIOLOGIA

   

     As taxas internacionais de suicídio variam em torno de 10-15 por 100.000.    Em alguns países do leste europeu, Escandinávia, Japão, as taxas chegam a 25 por 100.000.   Nos Estados Unidos, que colocam-se entre as taxas internacionais, entre 1970 e 1980, houve mais de 230.000 suicídios, aproximadamente 1 em cada 20 minutos.   Atualmente, neste país, o suicídio ocupa a oitava posição entre as causas gerais de morte, sendo que no grupo etário entre 15 e 24 anos, ocupa a segunda posição vindo após os acidentes.

     Estes números representam apenas os suicídios completados, sendo que as tentativas de suicídio são estimadas em 8 a 10 vezes maiores.

 

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
  

     Os homens comentem suicídio com freqüência três vezes maior que as mulheres.   No entanto, elas tentam quatro vezes mais que os homens.

     Esta taxa mais alta de êxito entre o sexo masculino está associada aos métodos usados.   Geralmente o fazem usando arma de fogo, enforcamento ou pulando de locais elevados, enquanto as mulheres tendem a fazê-lo tomando dosagens excessivas de medicamentos ou veneno.

     As taxas de suicídio aumentam com a idade.   Entre os homens, o número de suicídios completados é maior após os 45 anos.   Entre as mulheres, esta taxa aumenta após os 55 anos.   A maioria dos suicídios ocorre entre 15 e 44 anos.

     Entre as raças: homens brancos cometem suicídio duas vezes mais que não brancos.   Dois em cada três suicídios são de homens brancos.

     O casamento, reforçado pelos filhos, diminui significativamente o risco de suicídio.    Pessoas solteiras, jamais casadas, cometem suicídio duas vezes mais que pessoas casadas.    Entretanto, pessoas casadas anteriormente, têm duas vezes mais chance de suicídio que as jamais casadas.   Estas taxas atingem um pico entre homens divorciados, chegando a 69 por 100.000.

     História de suicídio na família e isolamento social aumentam o risco de suicídio.

     Entre as profissões, quanto mais alta a posição social, maior é o risco de suicídio, mas, o trabalho em geral, protege contra o suicídio, que é maior entre as pessoas desempregadas que entre as pessoas empregadas.

     A saúde física está diretamente relacionada com a taxa de suicídio.   Em torno de 30% dos suicidas consultaram médico nos seis meses que antecederam o ato.  Estudos de necropsia mostraram doenças físicas presentes em 25 a 75% das vítimas de suicídio.    Fatores associados com doença e suicídio são a perda da mobilidade, que impossibilita atividade física ocupacional ou recreacional, desfiguramento e dor crônica intratável.   Contribuem os efeitos secundários como perturbação nos relacionamentos e perda da situação profissional.

     Quem avalia um paciente deve perguntar direta e exaustivamente sobre ideação suicida e tentativa anterior.   De forma alguma falar sobre o suicídio pode induzir um paciente a praticá-lo.   Além disso, uma tentativa de suicídio anterior é o melhor indicador que um paciente apresenta risco aumentado para suicídio.   O risco de um paciente fazer uma segunda tentativa de suicídio é mais alto dentro de três meses após a primeira tentativa.

     Oito em dez pessoas que se mataram dão alarme de suas intenções e cinqüenta por cento afirmaram abertamente que desejam morrer.   Ter um plano mentalizado com acesso a meios letais é um sinal particularmente perigoso.

     Outro sinal perigoso vem do paciente que estava ameaçando suicidar-se, e tornou-se silencioso e menos agitado.   Na medida em que ele melhora sente-se mais energizado e pode ter tomado a decisão secreta de cometer suicídio.

 

Fonte: http://www.psiquiatriageral.com.br/emergencia/emergencia.htm


Posted at 05:02 pm by PinkySammet
Make a comment  

Sunday, September 19, 2010
Suicídio.

16:29h, estou sozinha em casa em um domingo nublado, bêbada, sentada na frente desse maldito computador devorando os textos do site da Dignitas (clínica de suicídio assistido) por horas intermináveis. Não são só as horas que são intermináveis. A atual mediocridade da minha vida também parece ser. A cada dia que passa eu desejo mais e mais morrer. Mas não quero que seja uma morte qualquer, não quero que aconteça naturalmente, ou como uma fatalidade. Não quero ser atropelada, ser vítima de uma bala perdida, um assalto ou qualquer coisa do tipo. Não quero adoecer e passar meus últimos dias numa cama de hospital. Eu quero ter total controle até o fim. Que graça tem viver? O que a vida tem a oferecer, afinal de contas? Quando falo sobre meus anseios aos "normais", o que ouço é "Movimente sua vida, faça cursos, vá aprender coisas novas, aproveite a vida!" Aproveitar o quê?? Aprender coisas novas? Poucos são os que percebem como isso é idiota e inútil. Pouquíssimos são os que entendem e conseguem ver o mundo e a vida como realmente são. Impossível ter os olhos abertos para tudo isso e ainda assim ter alguma esperança, ainda assim querer viver. Preciso do controle, minha vida escapa a cada dia que passa por entre meus dedos, como areia, e sinto que não posso recuperá-la ou parar o vento que a leva.

Eu não quero mais estar aqui. Na verdade eu nunca quis estar, mas acabei por me adaptar, contra a minha vontade. Agora a vontade está se tornando cada vez mais forte e insuportável. Por que os que amam a vida morrem e os que querer morrer vivem? Lembro de 2001 quando fiz minha primeira tentativa e me envergonho por minha covardia. E daí que demorou mais que o esperado? De qualquer forma seriam só alguns minutos a mais e logo eu estaria livre. O que são alguns minutos de dor a mais comparados a uma eternidade livre da vida, do mundo, de tudo? Arrependo-me de minha covardia. Agora é tarde demais, há coisas que me prendem aqui. Uma coisa só, na verdade. meu filho. Não tenho coragem de ir e deixá-lo aqui, jamais faria isso. Quero estar perto dele e acompanhar cada momento, o crescimento e desenvolvimento. Quero poder ensiná-lo a não ser como eu - e ao mesmo tempo ser exatamente como eu. Tarefa difícil. Mas jamais o abandonaria. Ele é a única coisa que me impede de soltar de vez as rédeas da minha vida e me entregar a loucura, para depois pegá-las de volta e dar fim a tudo quando eu desejar. Mas preciso da certeza em mãos, preciso do elixir mágico. 15 g, 100 ml, é só o que preciso. O conforto de poder olhar aquele frasco milagroso todos os dias e saber que ele estará lá esperando por mim. Claro que há outras opções,. e as minhas são tiro, enforcamento e talvez até o salto para o infinito possa ser considerado. Mas eu quero ele! Nembutal! O salvador dos suicidas. O alívio final e a solução paa todos os problemas da vida e da morte. A última coisa amarga que terei que experimentar, Eu não quero mais estar aqui. Não quero mais viver. Nada mais faz sentido. A menos que a morte me encontre antes que consiga ir ao encontro dela por minhas próprias mãos, eu não prentendo de forma alguma ser vítima do acaso. Eu terei total poder e controle sobre minha morte. Suicídio é a solução, e assim será.

 


Posted at 05:25 pm by PinkySammet
Make a comment  

Saturday, August 28, 2010
Ouro de Toulo - Raul Seixas

Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros
Por mês...

Eu devia agradecer ao Senhor
Por ter tido sucesso
Na vida como artista
Eu devia estar feliz
Porque consegui comprar
Um Corcel 73...

Eu devia estar alegre
E satisfeito
Por morar em Ipanema
Depois de ter passado
Fome por dois anos
Aqui na Cidade Maravilhosa...

Ah!
Eu devia estar sorrindo
E orgulhoso
Por ter finalmente vencido na vida
Mas eu acho isso uma grande piada
E um tanto quanto perigosa...

Eu devia estar contente
Por ter conseguido
Tudo o que eu quis
Mas confesso abestalhado
Que eu estou decepcionado...

Porque foi tão fácil conseguir
E agora eu me pergunto "e daí?"
Eu tenho uma porção
De coisas grandes prá conquistar
E eu não posso ficar aí parado...

Eu devia estar feliz pelo Senhor
Ter me concedido o domingo
Prá ir com a família
No Jardim Zoológico
Dar pipoca aos macacos...

Ah!
Mas que sujeito chato sou eu
Que não acha nada engraçado
Macaco, praia, carro
Jornal, tobogã
Eu acho tudo isso um saco...

É você olhar no espelho
Se sentir
Um grandessíssimo idiota
Saber que é humano
Ridículo, limitado
Que só usa dez por cento
De sua cabeça animal...

E você ainda acredita
Que é um doutor
Padre ou policial
Que está contribuindo
Com sua parte
Para o nosso belo
Quadro social...

Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarada
Cheia de dentes
Esperando a morte chegar...

Porque longe das cercas
Embandeiradas
Que separam quintais
No cume calmo
Do meu olho que vê
Assenta a sombra sonora
De um disco voador...


Posted at 02:19 pm by PinkySammet
Make a comment  

Next Page


PinkySammet
Female
Brazil
Tired of living.

Afraid of trying.

Thinking of dying.


<< October 2011 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01
02 03 04 05 06 07 08
09 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31


If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed